Alunos de Enfermagem da UCB organizam conscientização sobre o Setembro Amarelo

Por Bruno Cilento

Alunos e professores da disciplina de saúde mental e psiquiatria, do curso de Enfermagem da Universidade Castelo Branco, com o apoio do CVV – Centro de Valorização da Vida promoveram entre os dias 23 e 26 de setembro uma exposição de trabalhos alusivos ao “Setembro Amarelo”.

Dentro do cronograma apresentado, estavam rodas de conversa sobre depressão, prevenção ao suicídio, cuidados especiais e além de orientação e explicação sobre os temas anteriores, houve exibição de vídeos e panfletagem organizada pelo CVV. Antes do início, alunos distribuíram e colaram em diversos lugares do campus Realengo da UCB mensagens de apoio e carinho, que podiam ser lidas, fotografadas e compartilhadas por todos.

Para Natália, professora do curso de Enfermagem da graduação e uma das organizadoras do evento, é válido poder compartilhar entre os alunos do curso e toda universidade a importância do trabalho realizado pelo CVV e as orientações de como buscá-lo.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, de cada 10 suicídios, 9 poderiam ser evitados com trabalhos voluntários; e o Centro de Valorização da Vida presta esse serviço com pessoas que sofrem de depressão e ansiedade, oferecendo apoio, por meio de conversas, promovendo encontros anônimos nos quais o participante pode expor seus problemas e sentimentos, tanto para pessoas que estão passando por isso quanto para seus familiares.

Como diz Marcio, membro da equipe que coordena o posto do CVV em Bangu, através do lema “Falar é a melhor solução”, o Setembro Amarelo se encaminha a um dos maiores índices de suicídio já presenciados no Brasil e isso reforça o trabalho prestado por eles, com o apoio, a orientação e o encaminhamento a profissionais especializados, a fim de prevenir o agravamento da situação psicológica das pessoas afetadas.

Por meio do canal de atendimento, pelo telefone 188, a pessoa pode conversar e expor seus problemas, suas angustias, sofrimento emocional, depressão ou apenas desabafar, pois o suicídio não é uma doença. “Trata-se de um fenômeno social, um ato do comportamento humano de uma pessoa em extremo sofrimento e desespero, mas que tratado corretamente pode ser prevenido”, completa Marcio.

Além do serviço de valorização da vida e prevenção ao suicídio, existe também o GASS – Grupo de Apoio ao Sobrevivente do Suicídio.

Quando uma pessoa morre por suicídio, ela impacta de 20 a 50 pessoas ao redor dela. E se alguém tenta se matar e, felizmente não consegue, ela pode tentar outras vezes, afetando parentes e amigos. Dessa forma, o CVV Bangu, toda a primeira e terceira quartas-feiras de cada mês, oferece o serviço do GASS, com rodas de conversa com sobreviventes de suicídio e parentes e amigos de pessoas que morreram pelo suicídio.

O mês de setembro foi escolhido para a campanha porque, desde 2003, o dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio e a cor amarela se refere a um caso acontecido nos Estados Unidos, quando, em 1994, Mike Emme, um jovem de 17 anos, tirou a própria vida, dirigindo seu carro amarelo. Seus amigos e familiares distribuíram no funeral, cartões com fitas amarelas e mensagens de apoio para pessoas que estivessem enfrentando o mesmo desespero que o jovem. Os pais de Mike iniciaram a campanha do programa de prevenção do suicídio de nome “Fita Amarela” ou “Yellow Ribbon”. A mensagem foi se espalhando pelo mundo.

É importante lembrar que muitos suicidas comunicam seu sofrimento diariamente a outras pessoas ou através de gestos, atitudes ou em redes sociais.

Vale ficarmos atentos, pois o suicídio pode ocorrer com qualquer pessoa que esteja em um alto grau de sofrimento ou pressão psicológica e esse sofrimento independe de dinheiro ou classe social.

A pessoa pode estar passando por um período difícil e pode estar pedindo ajuda sem perceber. Toda e qualquer ameaça de suicídio deve ser levada a sério!

Em casos como esse, oriente sempre a busca por acompanhamento e apoio.

O número do CVV é 188.

Endereço do CVV Bangu: Avenida Embaixador Pimentel Brandão, nº 195 (Praça 1º de Maio, próximo ao Hospital da Mulher e a Lona cultural) em Bangu.

Toda vida vale a pena!

Confira todas as fotos aqui.

Tags